(55) 3222-0050

Por Emanuel Piveta Pozzobon,

17 de setembro de 2019

“Ao longo dos anos, foi observado um aumento considerável nos casos de suicídio no Brasil. Isso é decorrente das formas e características, de como a sociedade brasileira se “desenvolve” nas cidades, além da péssima atuação do Estado nas comunidades mais carentes e pobres.

Um fator muito importante que deve ser levado em consideração é o número de desempregados, que superou os doze milhões. Essa situação, além de ser péssima para a economia, prejudica o estado psicológico das pessoas. Algumas cometem o suicídio, pois muitas vezes não tem do que se alimentar, dar uma mínima condição de vida para suas famílias e outras condições básicas para suas vidas.

O principal motivo para o suicídio, sem dúvidas, são as drogas, pois elas não escolhem cor, raça e condição econômica. Hoje, no Brasil, há um número de pessoas com dependência química preocupante. Esses normalmente se suicidam ou acabam morrendo por um alto consumo de drogas (overdose).

Vale ressaltar que as doenças psicológicas também tem grande participação nisso. Depressão e esquizofrenia, entre outros problemas psicológicos que estão cada vez mais frequentes no mundo e principalmente no Brasil; matam milhares de pessoas por ano. Indivíduos que apresentam essas enfermidades, normalmente não tem apoio familiar e psicológico.

Portanto, para reduzir o número de suicídios o Estado precisa tomar atitudes para essa situação. Por exemplo: promover campanhas anti-suicídio, dar suporte e acompanhamento psicológico para dependentes de drogas e alcoólicos, além dos indivíduos que apresentam doenças psíquicas. E fornecer estrutura básica para os mais carentes e pobres da população. Com essas intervenções governamentais diminuirão os números e estatísticas de suicídios.”

 

Emanuel Piveta Pozzobon, 9º ano do Ensino Fundamental.