(55) 3222-0050

As correntes do abuso sexual infantil

27 de junho de 2019

“O número de casos registrados de molestamento infantil no Brasil cresce de forma exorbitante. Segundo dados de pesquisas realizadas pelo IPEA, aproximadamente 70% das vítimas de violência sexual não completaram a idade de 20 anos. Vistos esses aspectos, é perfeitamente perceptível que o combate ao abuso sexual de menores deve ser realizado imediatamente.

Os principais causadores desse problema são indivíduos dependentes de drogas ou que sofrem de algum transtorno psicológico como a pedofilia, pois certa de 20% dos réus sob acusação de abuso sexual de jovens possuem esse dano à psiquia. Somando-se a isso, frequentemente o adolescente em questão adquire receio de denunciar o agressor, já que em grande parte dos casos o jovem é chantageado ou ameaçado mediante outros métodos. Portanto, o molestamento infantil tem fácil início e complexo combate.

Além disso, a maior parte dos casos de violação sexual de menores não é reportada às autoridades, muitas vezes porque o alvo não sabe que é ilegal o ato cometido pelos agressores, podendo resultar em a vítima repetir esse processo com outros adolescentes no futuro. Nesse sentido, é aplicável a frase “Eduquem as crianças e não será necessário castigar os homens.”, do filósofo Pitágoras. Logo, os menores de idade devem ser informados sobre a fatalidade que é o abuso sexual infantil a fim de impedir um ciclo de atrocidades.

Por conseguinte, o abuso sexual infantil é causado por indivíduos com distúrbios psicológicos e facilitado pela baixa taxa de denúncias contra os agressores. Com o propósito de solucionar essa questão, é preciso que o governo expanda o atendimento contra esse crime ao investir na rede policial e fornecer mais verba aos conselhos tutelares a fim de disponibilizar mais recursos para que eles protejam os jovens contra o abuso sexual infantil.”

Davi Sartori, 2ª série do Ensino Médio

TEMA: Abuso sexual de crianças e adolescentes no Brasil